terça-feira, 14 de novembro de 2017

do campo para a sua mesa

...

do campo para a sua mesa


alísio no arrozal
calor
alívio

(não há rosas
muitos cumulus)

ar entre arrozes
assopre

...

quarta-feira, 8 de novembro de 2017

a ilusão do toque (revisto)

...

A ilusão do toque



Seres do repúdio,

só existimos  
porque átomos       
se recusam.   

Somente o que semeia
por um momento único
no ar (e quase não há,
e não jaz, jamais) é uno –

raio:

raiz fugaz

...








a ilusão do toque

...

A ilusão do toque



Seres do repúdio,

só existimos  
porque átomos       
se recusam.   

Somente o que semeia
por um momento único
no ar (e quase não há)
é uno –

raio:

raiz fugaz

...









quinta-feira, 5 de outubro de 2017

ultrimos 3 poemas, segundo livro

...

Amigos, bom dia. A quem interessar possa, seguem os links p os três poemas q encerram meu segundo livro (pronto e inédito). O poema "Na orla" já postei aqui; os outros dois, "Olho" e "Um pixo no abismo" (o + recente e radical dos três, creio) são inéditos. Espero q gostem:

Um pixo no abismo:


Oho:


Na orla:


...


domingo, 1 de outubro de 2017

Anima (revisto)

...




O lamento – são as sombras, longas –
dos canteiros de obras
ao entardecer
(as máquinas paradas
por falta de combustível
humano).

Cassini – seu mergulho silencioso,
soturno e suicida – nos anéis
de Saturno (pedido de casamento –
ou homicídio mútuo –
aceito).

O amanhecer na ponta
do quebra-mar na cidade de Santos:
romper fractal no prisma das nuvens.

Um avião se vai – a-
deuses em Congonhas.

Teseu, que para sempre
se perdeu no centro
(da cidade
ou) do labirinto
(de sol e sussurros
do capinzal da infância).

Mãe, seu escuro;
eu, íntimo do útero...

Tudo isso leio
na mandala loura – são as madeixas, longas –
dos seus cabelos
(que sempre terei
entremeados
aos dedos).

...

quinta-feira, 28 de setembro de 2017

Speculum veritatis ou Branca Liddel toma a pílula vermelha

...

Speculum veritatis ou Branca Liddel toma a pílula vermelha



E se pudéssemos ver
o outro lado do
espelho
espelho meu
existe alguém
mais bonito
do que eu?


...

speculum veritatis

...

speculum veritatis




E se pudéssemos ver
o outro lado do
espelho
espelho meu
existe alguém
mais bonito
do que eu?

...

terça-feira, 26 de setembro de 2017

A antibíblia

...

A antibíblia


O que Deus diz                      
não se escreve.           

Seu verbo,                  
os objetos.                  

Só o poeta con-
versa com
o divino,

pois só ele (quieto)
dá ouvidos ao si-
lê-
ncio e sabe
que o externo
faz o interno  
e (portanto, o)
vice-(uni)verso.

...








terça-feira, 19 de setembro de 2017

Paisagem noturna

...

O poema abaixo foi escrito p a Luana Leka. Espero q, de alguma forma, a ajude neste momento + q difícil. Chama-se "Paisagem noturna":


Paisagem noturna



Não saia da nossa vida
saindo da sua.
Não desista. Assuma
a responsabilidade da dor:                    
o sofrimento é o que torna a viagem       
algo mais que bruma – paisagem, e         
nenhum panorama jamais voltará           
a ser belo para aqueles ao seu lado          
se não estiver iluminado pelo astro                  
que jamais desiste e sempre renasce,
a alva Lua-
na.

...


segunda-feira, 18 de setembro de 2017

A biblioteca negra

...


A biblioteca negra



Livros são pesados.
Letras são negras
e absorvem a luz.
Bibliotecas são raras,
pouco visitadas
e repletas de livros –
aqueles, pesados,
cuja gravidade é
do tipo que não atrai –,     
livros que, por sua vez,      
são repletos de letras –      
aquelas que absorvem a luz
como buracos negros supermaciços
nos centros das galáxias
e na singularidade nua
no início dos tempos.

...

quarta-feira, 13 de setembro de 2017

Nuvens (quânticas)

...

Nuvens (quânticas)




Moviam-se velozes –
parando ao olhar
para revelar –
águas aéreas –
uma possibilidade
de paisagem

para a terra.


...

segunda-feira, 4 de setembro de 2017

Nós

...
Nós


Se ao menos
os nós dos seus dedos
prendessem nossas mãos
para sempre.

...

sexta-feira, 1 de setembro de 2017

8º mar

...


8º mar


Morrer afogado
(belas mãos-musa)
nas ondas-versos
(“todo verso / um suicídio / e um renascer / em signos”)
do 8º mar.

Death by water,
traduzo: “Morte por poesia”.


... 

sábado, 26 de agosto de 2017

100 palavras

...

100 palavras




ou entrada,
há, somente, a paisagem
adjacente.

Pontos de fuga no horizonte
pertencem à geometria;
à poesia da passagem
(imagem, mais valia)
interessa a geografia do sublime,
que detém a última
e nos deixa sem
palavras.


...





quinta-feira, 24 de agosto de 2017

Obs.:

...

Obs.:



Uma linda mulher é tudo
de que não precisamos
(por isso a amamos).

Assim como uma imagem
(a beleza é uma miragem):

Orvalho
sobre a paisagem
amanhecida (fria;
não existe na cidade):
açúcar (cristal)
refinado nas sombras
(da noite obs.
cura).

...

segunda-feira, 21 de agosto de 2017

Água (revisto)

...

Água



nem boa, nem má

– vidro feito verbo –,

mar: apenas ri-
o,
chuva, lá-
g-
rima, la-
go-
a,

poça.
...






sexta-feira, 18 de agosto de 2017

nobile castello

...

nobile castello



Um quarto de melancolia       
num hotel qualquer. Outros –
quatro, ou a maioria –
repletos de ausências.

Incômodos cômodos.

Por vizinhos, vozes descarnadas;
abaixo, acima e aos lados: tristezas:
às vezes, gemidos; outras, rezas.

Há escadas que não levam a estrelas
.

Elas escutam: baratas eternas.

Vejam! – para além das janelas,
Jerusalém Libertada – A Cidade verdadeira.

Por mais limpos e polidos, os espelhos,
para sempre saturados de cenas e aparências,
sonham duplos
duplos...

E enquanto fechaduras vigiam
e banheiros arquitetam suicídios,

Ao longo, corredores parem portas gêmeas e sem fim

em fim.

...




segunda-feira, 19 de junho de 2017

de 5o

...

de 5o




Tocaria seus lábios ressecados
feito assinasse em contato
imediato
um contrato
via tato:

apareceu, epifania,
agora resta
andares abaixo:

mais ou menos
quatro (passos?),
sua presença conhecida
e imaginada, assim, perto,
perturba a própria realidade
do concreto:

por trás de paredes,
está nua;

mas a imagem imaginada
não se compara
ao contraste da imagem
vista contra a fuligem
da rua.

Antes ao invés de luz
fosse terra, e quântica,
geodésica
(ela toda, suas curvas
as menores distâncias entre éden
e ânsia), atravessasse, vazada,
paredes como se fossem redes;

tocaria então seus lábios molhados,
não haveria interior
(não se mira o imo de
uma miragem),
mas a beleza (ímã) bastar-se-
ia
a si. 


...

quarta-feira, 19 de abril de 2017

carta

...
Carta



Um excesso de sonhos
no qual se morria ou envelhecia precocemente
esgotou, a despeito da lua
que declinava em vigília sem nada
negar da sua indiferença –
de um lado a fóssil onda da Serra
do Mar; do outro, o Mar,
sêmen de serras e demais acidentes
geográficos –,
esgotou, esse excesso, os últimos grãos da areia morfina,
de modo que o sol não encenasse sua eterna estreia
no vão
de uma atmosfera
difusa, mas desse a luz a lembranças (nítidas linhas
de fuga)
e outros crepúsculos, alvoradas de
beijos primevos e semelhantes inocências arcaicas,
de espécie que se hoje não se recusa, tampouco se
recupera.

Não, não viveu em tempos de guerra,
distante, esta, em ambas as direções da seta (a do tempo):
nem ele,
nem ela,
ou seja, somando-se os dois:
a inocência
(os jovens dissolvendo-se em categorias
amargas com invejável doçura...).

Seria possível, perguntava-se o indivíduo (maduro),
não se sentir privilegiado perante as gerações que não foram
(serão) capazes
sequer de escolher entre luta e luto?

A lua havia se afogado;
o sol, ao menos até que se dissipassem as nuvens,
não.

...

segunda-feira, 20 de março de 2017

Baile de Faces

...
Baile de Faces



Como é que o senhor, eu, os restantes próximos, somos, no visível?
JOÃO GUIMARÃES ROSA, O Espelho.



Era uma máscara espelhada, oval,
que filtrava as toxinas do ar.
O mundo inodoro e monocolor: amarelo. Distante.
Alguns acrescentariam: insípido (silencioso).

A máscara despertou no leito onde parecia ter dormido.
Mas ela jamais dormia.
Em vez disso, todas as noites,
período em que as luzes ficavam acesas e os olhos abertos,
ela se refletia no espelho acima,
paralelo ao leito.

Levantou-se maciça,
sólida em comparação à silhueta translúcida que,
do seu ponto de vista,
era o corpo que a sustinha.

Dirigiu-se ao cômodo adjacente,
onde encontrou uma máscara idêntica a si,
do mesmo modo sustentada
por um corpo quase transparente,
quase imperceptível,
na prática raramente notado.

Sem palavra, movimentando-se lenta e meticulosamente, a primeira máscara se posicionou à frente da segunda e deu dois passos para trás, de modo que, por todo um minuto, a primeira pudesse observar-se, agora menor devido à distância, refletida no exato centro da segunda, que se refletia da mesma maneira e na mesma posição na primeira, que se refletia, menor, no centro do seu primeiro reflexo na segunda, que se refletia, menor ainda, no centro do seu primeiro reflexo na primeira, que se refletia.

...



terça-feira, 14 de março de 2017

...

e nós


para o Igor, filho


Compramos para ele,
somente para ele,
sempre para ele,
uma “Minha
Primeira Bíblia”.

O seu autismo é lindo,
pois torna-o ingênuo, inocente,
amoroso, preocupado – traços que,
conquanto o deixem mais frágil,
o escudam de escusas, de pedi-las
– em ambos os casos (dá-las,
esperá-las).

Compramos para ele,
conforme eu dizia
– somente para ele,
sempre para ele –,
uma “Minha
Primeira Bíblia”:

é verdade, mal escrita,
é verdade, mal resumida,
mas também é verdade que
a compramos justamente porque,
na sua inocência (em ambos
os casos – a dele, a dela),
ele acredita nela,
ela acredita nele,
e nós

... 





Related Posts with Thumbnails